segunda-feira, julho 13, 2009

No dia em que a Ponte 25 de Abril tinha metade das luzes apagadas...

... a vida deu mais uma das suas. Ainda que a nível familiar, pensei e vivi o nascer, o aprender, o celebrar e ainda o deixar a vida. Tudo assim junto, aos altos e baixos, em bruto, sem edição possível. 

Desde os mais pequenos aos mais velhos, pareceu uma viagem ao passado, presente e futuro, assim de graça, sem ser a pedido, sem ser um livro biográfico. De um fim de semana que era para ser romântico, foi, acima de tudo emocional.

Parabéns à minha prima E., fez anos ontem e está prestes a dar à luz a sua primeira "rebenta". Os meus sobrinhos F. e J. estão lindos... O novo membro canino lá para os lados deles parece um boneco de peluche!...

...

Porém, avô, ao longo da tua vida de 89 anos fizeste muito, viveste. E eu prefiro relembrar tudo isso do que pela última vez te ver nesse sono eterno. Lembro-me de recordações e imagens, e de fotos que temos, quando elas ainda eram em papel fotográfico. Aquela em que me tens ao colo, pequenina e em que sorrimos um para o outro, rodeados do verde da tua quinta... Gosto muito de ti!

7 comentários:

Gi disse...

Belo post de homenagem.

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
CAP CRÉUS disse...

Um brinde aos ausentes e também aos que hão de vir!

wednesday disse...

Obrigada pelo apoio, aqui ou mesmo por mail, e ainda toda a gente que o fez por outros meios. As recordações ficam, o essencial da pessoa e a vida continua e, ainda por cima, com tanta gente que nos apoia quando é preciso.

Nirvana disse...

São essas as recordações que deves guardar. Dos momentos bons que passaram, de como o fizeste feliz e vice-versa. O tempo ajuda a minorar a dor, a saudade permanece. Daqui a uns anos, quando vires essas fotos, as lágrimas poderão ainda correr, mas um sorriso também se formará. Pelo menos, é o que se passa comigo.

Mary of Cold disse...

Beijinho grande ** :)

Tuxa disse...

O meu faleceu no dia 17 com 92 anos. Revejo-me muitissimo nas tuas palavras... aquilo que nos deixaram em vida é tao mais importante...